domingo, outubro 01, 2006

Os gatos e os pintores

Olá

Na semana passada falámos dos gatos como musa inspiradora de escritores.
Mas também o foi para compositores, pintores, escultores.
Já no antigo Egipto o gato foi motivo de inspiração podendo nós, ainda hoje, apreciar muitas das esculturas e estatuetas feitas nesses tempos.
Mas é na pintura que o gato aparece mais frequentemente representado.
Théophile Gautier, que adorou as suas gatas – Séraphita, a primeira, de pêlo amarelo e branco, e Éponine a segunda, de pêlo negro e olhos verdes - afirmou, um dia, que “é preciso génio para pintar um gato”.
Pintores como Pedro Brueghel, o Velho (1530-1600), Watteau (1684-1721), Manet (1832-1883), Renoir (1841-1919), todos eles nos legaram obras lindíssimas em que o gato tem destaque.
São de Reynaldo Fonseca, grande pintor lusófono, nascido no Recife em 1925, as imagens de três óleos sobre tela por ele pintados e em que o gato aparece como elemento de composição.
Disse ele um dia: “Considero o gato um bicho estranho, tem uma certa agressividade felina que transmite mistério”.


Três exemplos de “arte urbana” em que, uma vez mais, é o gato a “inspiração”.



E quando olho os meus gatos compreendo o porquê de tantas composições artísticas em sua homenagem. Se repararem bem, verão que até o mais vulgar dos gatos tem qualquer coisa de maravilhoso que nos fascina.

Até breve
.

2 comentários:

2pintas disse...

realmente interessante o gatinho branco a ver a sua imagem ao espelho, o meu uma vez viu-se e assanhou-se porque pensava que era outro gato!:)
gostei de ver o gatito na calçada portuguesa! nunca tinha visto!
beijinhos e bfs:***************

Artista e seus gatinhos disse...

eles são minha inspiraçãooooo...são divinosssssssss amuuuuuuuuu